Gestores na educação

Como alcançar bons resultados com uma gestão humana e democrática? – por Marina Queiroz

Ser gestor é desafiador. Sabemos disso e queremos, com esse artigo, auxiliar a vocês, gestores na educação, a alçar voos rumo a uma gestão humana, empática, estratégica, eficiente e com bons resultados. 

Mas, a pergunta principal aqui é: como alavancar os gestores na educação

Gestor é uma palavra oriunda do Latim, que dentre alguns significados e metáforas representa “portar sobre si”, “aceitar um encargo, portar uma obrigação”. Na fonte Indo-Europeia está vinculada a “fazer andar”, “conduzir”. Através desses significados, podemos extrair muitas informações e fazer algumas analogias. 

Vamos supor que um grupo de pessoas irá fazer uma trilha para chegar até um pico, assistir o sol se pôr, passar à noite e retornar no outro dia. Eles não conhecem o trajeto, não sabem das condições, o que precisam levar ou qualquer outra informação. Contratam um guia que conhece o caminho, orienta sobre as bagagens, direciona, conduz para que todos cheguem ao objetivo juntos, em segurança e com uma experiência harmoniosa e agradável.

O guia é o gestor, que direciona os geridos para se alcançar um ou vários objetivos. É preciso ser eficiente, que tenha métodos e estratégias para se chegar lá, porque ao longo do caminho pode chover, alguém pode se machucar ou a rota precisa ser alterada. É preciso empatia, organização e boa comunicação, para que as pessoas levem o necessário, se sintam confiantes e seguras e entendam as orientações passadas para minimizar riscos e incertezas e maximizar resultados, experiências e aprendizados. Compreender a diversidade que compõe um grupo, o tempo e a motivação ou ensinamento que cada pessoa precisa é fundamental para se chegar a um bom resultado. E não é apenas sobre o resultado em si, é sobre o caminho e como se caminha.

Quando tratamos dos gestores na educação, o padrão de competências para o exercício da função se torna ainda mais específico. O livro Dimensões da gestão escolar e suas competências, de Heloísa Luck, trata do padrão de competências necessárias para os gestores, compreendendo que o desenvolvimento precisa ser contínuo. Desenvolvimento esse que precisa ser disseminado a partir de formações ofertadas por secretarias para os diretores e através da prática desses conhecimentos adquiridos nas escolas com os liderados, coordenadores, professores, funcionários, alunos e responsáveis. 

Os gestores na educação podem ocupar diversos cargos e funções, desde o Secretário de Educação, Subsecretários, os Coordenadores de Ensino das Secretarias até os gestores escolares, coordenadores pedagógicos e professores, que também são gestores das salas de aula e dos seus liderados diretos, o alunato. São funções e cargos distintos como gestores na educação, mas que exigem competências, habilidades e atitudes similares, como:  

  • Gestão democrática e participativa, inclusive dos próprios alunos
  • Gestão de resultados educacionais
  • Gestão administrativa e de pessoas
  • Gestão de conflitos
  • Gestão estratégica e de resultados
  • Monitoramento e avaliação
  • Clima e cultura escolar 
  • Ciclo entre planejamento, implementação, monitoramento e avaliação
  • Bom relacionamento interpessoal com a comunidade escolar
  • Comunicação acessível e empática
  • Inteligência emocional
  • Flexibilidade
  • Liderança

Competências e habilidades podem ser construídas a partir da experiência e de formações, conhecimentos. Entretanto, há funções, competências e habilidades relacionadas à pessoa em si. A diversidade é inerente à natureza da vida e dos seres humanos. Há padrões de competências para o exercício de determinadas funções, mas cada gestor terá suas particularidades e formas de gerir a partir de cada território e contexto. Por isso, os resultados são tão diferentes. Aqui vão algumas dicas para as secretarias, diretores e coordenadores aumentarem a eficiência dos ses processos de gestão:

Secretarias: 

Pensar o processo seletivo para os cargos de gestores na educação é um passo importante, avaliando as qualificações e as competências e habilidades citadas acima. Entretanto, o desenvolvimento contínuo desses profissionais é fundamental para trazer resultados positivos para a rede em todos os sentidos. A criação de um Programa de desenvolvimento de competências em gestão escolar e a assessoria de profissionais qualificados dentro das escolas são ações que podem potencializar os gestores na educação. 

Diretores e Coordenadores:

Vocês, que já são gestores na educação, podem aproveitar as oportunidades de formação que a suas redes ofertarem. Também podem aproveitar as oportunidades gratuitas como as da Fundação Bradesco e da Aliança Brasileira pela Educação, que oferecem diversos cursos de gestão e de liderança. Por fim, reuniões de escuta com o quadro de funcionários, pais, estudantes, para trabalhar uma gestão democrática e participativa, traçar um plano estratégico através dos dados colhidos para garantir uma educação acessível, inclusiva e de qualidade e desenvolver metodologias que façam sentido para os professores e alunos, garantem um clima escolar harmonioso e auxiliam na eficiência dos resultados. A gestão do tempo é uma competência extra que faz toda a diferença dada a quantidade de demandas, burocracias e atividades que emergem dos gestores na educação. 

Essas ações, apesar de simples, podem ser o pontapé inicial para grandes mudanças na gestão. Que tal começar? Se precisar de alguma ajuda, estamos à sua disposição por esse link.

Referências:

Arhipova, Olga; Kokina, Irēna Kokina; Rauckienė-Michaelsson, Alona. SCHOOL PRINCIPAL’S MANAGEMENT COMPETENCES FOR SUCCESSFUL SCHOOL DEVELOPMENT. TILTAI, 2018, 1, 63–75. Acesso em: 22 de novembro de 2020. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/233178947.pdf

LÜCK, Heloísa et al. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, v. 1, 2009.

compartilhar

Relacionados

Educação contra o discurso de ódio

Educação contra o discurso de ódio. Guia prático para combater o discurso de ódio na sala de aula – por Júnia Bicalho (…)

Estudantes curiosos, professores estimulados

Estudantes curiosos, professores estimulados: o ensino por Investigação na construção de aulas instigantes – por Marina Queiroz (…)

A importância do acolhimento de educadores no início do ano letivo

A importância do acolhimento de educadores no início do ano letivo – Como acolher os professores no início das atividades pedagógicas? (…)

Encontrou o que precisava?