Você é uma liderança escolar e precisamos falar sobre isso

Dicas e sugestões para engajar a liderança escolar de coordenadores, professores e estudantes – por Marina Queiroz

Se você pensa que ser líder é apenas para quem ocupa cargos mais altos de gestão, ou que é uma tarefa para quem naturalmente tem o “dom”, esse post é para você. Nele, vamos entender como exercer a liderança escolar e até mesmo estimular pessoas a ocupar esses espaços de forma autônoma e engajada.

O que é ser líder? 

A palavra líder em diferentes origens etimológicas significa guia, chefe ou aquele que vai na frente. Ao longo da história da humanidade presenciamos líderes que influenciaram gerações, pensamentos e o nascimento de religiões, ideologias e modos de existir, no entanto, não precisamos ir tão além. Existem líderes em todos os lugares, comunidades, territórios e famílias. 

Há líderes que são chefes e ocupam cargos de gestão, mas não necessariamente ser líder é sobre ocupar posições de chefia. A liderança está presente na influência exercida nas pessoas, no direcionamento e na inspiração que provoca para alcançar um determinado objetivo ou intencionalidade. 

Como exercer a liderança escolar? 

Quando trazemos esse tema para a escola, talvez, a primeira pessoa que vem à mente é a figura do diretor (a), coordenador (a) ou pedagogo (a). Sim, eles ocupam cargos de chefia, mas os professores também exercem a liderança dentro do ambiente escolar e estão diretamente relacionados com os estudantes. Influenciam, ensinam, engajam os seus estudantes. E, pasmem, os estudantes também são lideranças importantíssimas. É possível notarmos alguns que exercem essa liderança de forma mais intuitiva, enquanto alguns outros precisam apenas de notoriedade e incentivo para ocupar esse espaço. Por isso, aqui vão algumas informações e dicas para coordenadores e professores expandirem os conceitos da liderança escolar: 

  • Coordenador (a): 

Assumir a posição de coordenação exige algumas habilidades específicas, uma vez que as tarefas designadas são de atendimento e comunicação interna e externa, mediação de conflitos, resolução de problemas, entre outros. Além disso, pensar em atividades, gincanas, colaborar com a direção da escola também são outras tarefas realizadas. 

Para isso, habilidades como as de inteligência emocional, criatividade, gestão de conflitos e comunicação não-violenta são importantes para o exercício de uma liderança humana e podem ser muito eficientes. A realização de formações e cursos acerca desses temas e a aplicação no cotidiano pode trazer melhorias significativas no espaço escolar.

Outra dica é o estímulo para que os estudantes também se sintam engajados em serem líderes segundo os seus papéis e responsabilidades, isso pode trazer menos sobrecarga de demandas e um ambiente mais harmonioso. Como exemplo, selecionar líderes da sala de aula para representarem as turmas e auxiliarem na coordenação e organização de tarefas simples. O estímulo da liderança escolar nos estudantes não é apenas tarefa do coordenador. A pedagogia, a direção da escola e os próprios professores também cumprem com essa função.

  • Professor (a): 

Uma das maiores lideranças do mundo é o professor! Concorda? Todas as profissões existentes já tiveram, em algum momento, professores que ensinaram. Até mesmo estudantes escolhem profissões através da influência do professor.

Quando paramos para pensar, o professor tem o poder de influenciar, engajar e direcionar os seus estudantes. Gere pessoas, conflitos, tempo, mudança, conteúdos. Se entender como uma liderança influente para dezenas ou até mesmo centenas de estudantes é um passo importante para buscar o aprendizado contínuo. Buscar estratégias eficientes para melhorar o aprendizado, a cultura de sala de aula e o comportamento dos estudantes, pode, e muito, trazer mais qualidade para você e para o ambiente escolar. 

Aqui vão algumas dicas: 

  • – Troque com os seus pares sobre estratégias que funcionam; 
  • – Crie uma cultura própria da sua aula, com combinados estabelecidos entre vocês e reforce cada um deles quando necessário; 
  • – Sustente os combinados sendo justo com cada um deles;
  • – Procure estabelecer uma relação de confiança. Um líder pode confiar em seus liderados e estimular a autonomia e o protagonismo, incentivando-os em suas atividades; 
  • – Faça cursos ou formações sobre liderança, gestão de conflitos, autoconhecimento e cursos similares;
  • – Perceba quem são os estudantes mais influentes na sala de aula ou aqueles que precisam de mais autonomia e engajamento e transforme-os em seus auxiliares ou em monitores, isso pode facilitar muito o seu trabalho em sala e possibilitar a formação de mais lideranças;
  • – Permita que os estudantes tragam suas ideias, sugestões de aulas e que sejam protagonistas. Acredite, essa ação pode ser benéfica para a sua liderança.

Por fim, sabemos que a profissão de professor ou de coordenador não é nada fácil e que essas regras são apenas dicas e sugestões para te provocar reflexões, pensamentos e, quem sabe, ações que proporcionarão uma liderança cada vez mais humana e eficiente. 

Vamos juntos que assim vamos melhor. Conte com a gente! Estamos à disposição 🙂

Referências:

Itaú Social. “Liderança escolar: profissão docente e gestão escolar”. Disponível em: https://www.itausocial.org.br/divulgacao/lideranca-escolar-profissao-docente-e-gestao-escolar/

Dica de escola de liderança: Fundação Estudar, disponível em: https://escoladelideranca.org.br/

compartilhar

Relacionados

Dia dos povos indígenas

Dia dos povos indígenas: Como fomentar reflexões e atividades evitando estereótipos no dia dos povos indígenas? – Por Marina Queiroz (…)

Revisitando o Ensino Híbrido

Perspectivas e reflexões sobre o ensino híbrido no cenário pós-pandêmico – Por Júnia Bicalho (…)

Gestores na educação

Gestores na educação: como alcançar bons resultados com uma gestão humana e democrática? – por Marina Queiroz (…)

Encontrou o que precisava?