Que quer dizer cativar no relacionamento aluno-professor?

Criar laços: um olhar afetuoso sobre o relacionamento aluno-professor – por Joice Andrade 

E se o aluno confundir amizade com liberdade? E se um ato de afeto for mal interpretado? Esses são alguns dos dilemas enfrentados quando se fala do relacionamento aluno-professor. Muitos defendem a ideia de que a única relação entre professor e aluno deve se dar de maneira engessada, focando apenas no conteúdo, sem criar envolvimento pessoal com os estudantes. Neste artigo, queremos mostrar que, ao lidar com alunos, estamos lidando com seres humanos, e não se pode falar em relações sociais e emocionais sem estabelecer vínculos. Por isso, traremos algumas estratégias que te auxiliarão a cativar seus alunos e consequentemente construir laços com a turma, quebrando esse paradigma de que professor é apenas um transmissor de conhecimentos, e em paralelo reforçando os limites éticos dessa relação.

Necessidade do vínculo

Quem nunca passou a gostar de uma disciplina, ou foi para uma aula empolgado só por causa de um professor? Isso reafirma o pensamento de Jean Piaget, que diz que os processos de aprendizagem são influenciados de forma positiva ou negativa pela afetividade. Logo, fica claro que quanto melhor o relacionamento aluno-professor, mais leve e fluido é o aprendizado. Temos então que uma relação saudável na sala de aula é também uma ferramenta da própria aprendizagem que vai auxiliar no desenvolvimento pessoal e educacional. Trazemos aqui algumas vantagens mas também limites que precisam ser estabelecidos para essa relação:

Vantagens: 

  • Incentiva a participação ativa e o protagonismo dos estudantes;
  • Melhora o aprendizado e traz mais prazer e entusiasmo no ensino;
  • Oportuniza melhor gestão de conflitos, gerando uma sala de aula mais fluída;
  • Estabelece relações mútuas de afeto, colaboração, empatia e confiança;
  • Reduz o absenteísmo e a evasão escolar.

       Limites:

  • Evitar tratamentos desiguais por maior proximidade;
  • Respeitar o seu próprio espaço e o espaço dos alunos;
  • Estabelecer de forma clara seu papel como autoridade da sala, porém sem autoritarismo;
  • Evitar o envolvimento excessivo;
  • Caso permita contato físico ou mesmo fora da escola, saber reconhecer e estabelecer limites.

“Era uma pessoa igual a cem mil outras pessoas. Mas, eu fiz dela um amigo, agora ela é única no mundo”, uso essa frase do Pequeno Príncipe, para enfatizar a necessidade dessas relações. A escola é, muitas vezes, o único lugar em que a criança se sente acolhida, e é no professor que ela busca esse olhar afetuoso. Cativando seus alunos você estará dizendo a eles, “vocês são únicos para mim” e, ao se sentirem únicos, irão retribuir com afeto, respeito, colaboração e melhores resultados. Bom, chega de muita teoria, o próximo passo é entender como explorar na prática esse relacionamento saudável com seus alunos. Vem com a gente.

Estratégias para criar relações afetivas com seus estudantes

  • Aproveitar momentos fora da sala de aula: estar com os alunos em momentos como hora do lanche, aulas vagas, almoço (para escolas integrais), projetos no contraturno, jogos escolares, gincanas. Essas são ótimas oportunidades para estabelecer uma melhor conexão com eles.
  • Conversas aleatórias: como passaram o fim de semana? Viram o jogo de ontem? São perguntas simples, mas que podem fazer toda a diferença na sua relação com o aluno, mostrando a ele que você se interessa não somente com o aprendizado dele, mas com o que ele sente, faz e pensa.
  • Elogios: elogiar o aluno, seja em acertos nas suas atividades, na sua dedicação, ou mesmo no comportamento, aparência e vestimenta. Isso te ajuda a estabelecer a confiança, pois demonstra olhar atento e incentivador.
  • Dinâmicas socioemocionais ou integrativas: realizar dinâmicas onde o aluno se apresente, escreva uma carta para si mesmo ou para os colegas, exponha seus sonhos, medos, gostos, também te permite criar relações mais profundas com seus estudantes, pois te permitirá conhecê-los mais profundamente. 
  • Perfil profissional nas redes sociais: Se o seu perfil é mais despojado e atualizado no digital, ter um perfil acessível para os alunos nas redes sociais, onde eles possam interagir em postagens, conhecer um pouco mais sobre seu pessoal e sua carreira, é um ótimo meio para criar esses laços, pois o aluno acaba se sentindo mais próximo.
  • Promover festinhas em datas comemorativas: realizar eventos com seus estudantes, em datas especiais como carnaval, páscoa, são joão, Natal, etc, promovendo brincadeiras, amigo secreto/amigo doce, desfile de fantasias, danças, também é um excelente passo para se aproximar dos seus alunos.
  • Aluno Monitor/Ajudante: eleger alunos que te ajudarão nas atividades com os colegas, e outras demandas te permite mostrar a eles que você é um professor acessível e que valoriza o protagonismo deles.
  • Aniversariante do dia: solicitar que os estudantes anotem em um caderninho da turma suas respectivas datas de aniversários e sempre checá-lo para cantar parabéns, dar abraços, quando possível oferecer alguma lembrancinha. Essa é uma forma de demonstrar afeto e mostrar ao seu aluno que ele é especial.
  • Personalização: quem não gosta de ser chamado pelo seu nome? Ou mesmo quando criança, quem não gostava de ser citado em um exemplo? Chamar o estudante pelo nome demonstra a ele que você o conhece suficientemente e se importa com a turma a ponto de aprender o nome de cada um. Citá-los em exemplos verbais ou em atividades e avaliações mostra que você lembrou deles ao planejar sua aula.
  • Escuta ativa: promover rodas de conversas sobre diversos temas, e, principalmente, sobre o decorrer do ano, pedindo feedbacks dos estudantes sobre sua aula, o que pode ser melhorado ou agregado, e dando feedbacks a eles, é uma forma de se mostrar aberto a sugestões, valorizando a participação deles.

Ao desmistificar esse dilema do relacionamento aluno-professor, podemos perceber que construir vínculos não afeta somente o aluno, mas também o professor, o desenvolvimento socioemocional de ambos, a vida acadêmica do estudante e, o mais primordial, o processo de ensino e aprendizagem. É preciso sim estabelecer limites, mas, como costumo dizer em sala: “eu não preciso ser amiga dos meus alunos, e eles não precisam ser meus amigos, mas se nesse processo conseguirmos criar laços, se tornará ainda mais agradável a jornada da partilha de conhecimentos”. E esse pensamento precisa ficar bem estabelecido para você, professor(a), e para a sua turma, para que eles entendam que você está aberto a criar uma relação amigável, mas que não está disposto a permitir qualquer coisa (deixar de exercer seu papel de autoridade) para que isso aconteça. 

Que tal agora buscar tornar sua sala de aula um ambiente acolhedor e prazeroso, para que seus alunos encontrem em você um professor parceiro? Afinal, a jornada do aprendizado se torna mais encantadora quando trilhada em parceria, e, convenhamos, é tão bom lecionar em uma turma que você consegue amar e se sentir amado! Ah, não esquece, “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Referências:

EducaBras. A Relação Professor e Aluno. Disponível em: <A Relação Professor e Aluno – EducaBras> Acesso em: 10 de fevereiro de 2024.

K-12 Mergulho. Os relacionamentos importam na educação, então por que não somos melhores em priorizá-los? Por Jay Schroder. Disponível em: <Os relacionamentos são importantes na educação, então por que não somos melhores em priorizá-los? | K-12 Mergulho (k12dive.com)> Acesso em: 10 de fevereiro de 2024.

Nova Escola. Professor X aluno: qual é a importância do vínculo na aprendizagem. Por Ana Carolina C D’Agostini. Disponível em: <Professor X aluno: qual é a importância do vínculo na aprendizagem | Nova Escola> Acesso em: 10 de fevereiro de 2024.

PodCuriar, episódio 11. “Planejamento: guia completo para começar as aulas!”, com Djalma Filho e Ana Laura Filipini. Janeiro de 2024. Disponível em: <https://open.spotify.com/episode/6gQMRbBsnXQkBgXQOwVLBq?si=7fdc585140d743f7 e em https://www.youtube.com/watch?v=cuH1NkI7RUM> Acesso em: 10 de fevereiro de 2024.

Saraiva Educação.Entenda a importância e como desenvolver uma boa relação entre professor e aluno. Disponível em: <Relação entre professor e aluno: a importância e o impacto na educação (saraivaeducacao.com.br)> Acesso em: 10 de fevereiro de 2024.

compartilhar

Relacionados

Educação contra o discurso de ódio

Educação contra o discurso de ódio. Guia prático para combater o discurso de ódio na sala de aula – por Júnia Bicalho (…)

Estudantes curiosos, professores estimulados

Estudantes curiosos, professores estimulados: o ensino por Investigação na construção de aulas instigantes – por Marina Queiroz (…)

A importância do acolhimento de educadores no início do ano letivo

A importância do acolhimento de educadores no início do ano letivo – Como acolher os professores no início das atividades pedagógicas? (…)

Encontrou o que precisava?