Habilidades para ser líder na minha escola

Dicas práticas para desenvolver habilidades para ser líder – por Natália Araújo

Uma boa liderança não depende apenas do esforço individual, mas de um trabalho coletivo, envolvendo gestão, professores, funcionários, pais e estudantes, é um trabalho em equipe, que se mostra essencial para lidar com os conflitos e os objetivos (projetos, demandas, etc.) escolares. Cada ator presente no chão da escola deve convergir esforços para que se obtenha sucesso na gestão pedagógica e escolar. Para tanto, é necessário desenvolver atitudes e habilidades para ser líder que auxiliem na condução de um grupo, tomar decisões tendo em mente os objetivos e a prática pedagógica.

O papel da liderança em uma comunidade escolar

A eficácia de gestão e organização escolar não corresponde unicamente ao desempenho da equipe de coordenação ou do corpo docente, mas depende da integração entre as diferentes áreas que compõem a instituição. Principalmente na rede pública, uma liderança escolar resumida às ideias e perspectivas de uma única pessoa se torna, no mínimo, sobrecarregada. Metas e objetivos podem ser definidos em maior sintonia, como o planejamento estratégico escolar.

Conhecer bem a sala de aula e os professores, ou os estudantes e a gestão, é fundamental, mas também é necessário que cada um desenvolva seu papel com segurança e autonomia, centrados não apenas no desenvolvimento dos estudantes, mas das próprias competências. Falamos um pouco mais sobre isso em outro post, e você pode se aprofundar aqui. Sabemos que a liderança pode ter vários aspectos, então separamos três deles, com algumas habilidades de liderança relacionadas que podem te ajudar a explorar melhor suas características. 

  1. Liderança para a inovação:

Considerando que o objetivo não é a sobrecarrega de trabalho, mas o melhor aproveitamento e desenvolvimento de suas competências individuais, periodicamente é possível ir em busca de novas abordagens pedagógicas, de tecnologias educacionais ou métodos de avaliação, para ajudar não apenas no seu desenvolvimento profissional contínuo, mas contribuir para uma cultura de inovação e autopercepção de liderança, onde se aprimoram as habilidades dos educadores e, por consequência, dos alunos.

  1. Liderança para equidade:

Promover e principalmente praticar o respeito e a inclusão na sua prática profissional pode parecer uma ação simples, mas o feedback positivo é garantido. Seja na rotina de trabalho em equipe e no engajamento dos alunos, o fortalecimento de uma cultura organizacional mais ética é valioso e bem percebido. 

  1. Liderança para a colaboração:

Ninguém é líder sozinho ou sozinha. Liderança se faz com escuta, e ouvir pode ter um resultado melhor do que você imagina, seja gestão, docentes, equipe técnica, pais ou estudantes. Todos gostamos de nos sentir apreciados, ouvidos. A escuta pode ser uma forma de estabelecer uma relação menos cansativa e conflituosa, logo ajuda a ter uma abordagem mais colaborativa, e portanto, eficaz.

Mas como posso ser liderança na minha escola?

Agir com liderança é atuar nas tomadas de decisão do ambiente escolar e cooperar com o desenvolvimento da equipe, seja ele técnico ou socioemocional. Muitas vezes, também envolve aprimorar nossas próprias habilidades de autogestão e compartilhá-las com os demais. Dessa forma, é necessário desenvolver algumas competências de maneira individual, mas também em equipe, visando o bom funcionamento da comunidade escolar, através de cursos, formações, palestras, etc. Algumas delas são:

→ Comunicação não violenta

É fundamental para uma gestão humanizada, seja de professores, alunos, ou demais técnicos do ambiente escolar para que recebam reforço positivo e acolhimento às suas demandas.

→ Autorregulação emocional

É um mecanismo importante para aprendermos a controlar nosso próprio comportamento, emoções e pensamentos e sermos capazes de lidar com tudo isso de forma saudável, transmitindo segurança aos demais.

→ Organização e gestão de tempo

É necessário para que não se perca prazos e seja possível acompanhar a execução do trabalho desempenhado por cada pessoa através de reuniões periódicas e de planejamento estratégico, ferramentas de gestão e comunicação, etc.

É mais fácil caminhar para o sucesso na gestão escolar, de sala de aula ou de pessoas quando conseguimos comunicar com assertividade e empatia as demandas de cada um, seja coordenação, corpo docente, alunos, secretaria, equipe de cozinha, etc. Em suma, ser líder essencialmente se aproxima de ser educador. Seja por coordenar o desenvolvimento, ou ensinar, instruir, motivar. Escolher uma habilidade para desenvolver já é dar o primeiro passo. Que tal começar? 

Referências:

Liderança em Gestão Escolar – Série Cadernos de Gestão – Vol. IV. Autor, Luck, Heloisa. Editora, VOZES.

Maziero, Jussara Maria de Souza. Gestão Escolar e Liderança. Universidade Federal do Paraná, 2016

compartilhar

Relacionados

Superando a evasão escolar

Abordagens complementares no combate à evasão escolar – por Júnia Bicalho  A educação é a chave para o desenvolvimento individual e social. No entanto, (…)

A prática da comunicação não-violenta:

Uma abordagem que enfatiza as relações educacionais pacíficas e eficazes da comunicação não-violenta – Por Leonardo Holanda A Comunicação Não Violenta (CNV) é uma (…)

Bullying não é “mimimi”

Em uma era digital, precisamos debater nas escolas sobre a intensificação do bullying Por Joice Andrade Com o crescente e cada vez mais cedo (…)

Encontrou o que precisava?