Tipos de metodologias ativas e o impacto da tecnologia na aprendizagem

Um guia descomplicado para trabalhar com metodologias ativas em sala – por Leonardo Holanda

As metodologias ativas são formas de ensino que colocam o aluno como protagonista do seu próprio aprendizado, estimulando a participação, a colaboração, a criatividade e o pensamento crítico. Para além da metodologia, “o professor precisa seguir comunicando-se face a face com os alunos, mas também digitalmente, com as tecnologias móveis”, diz Moran (2015). Existem diversos tipos de metodologias ativas que podem ser aplicadas em sala de aula, dependendo dos objetivos que espera alcançar, do conteúdo e do perfil dos estudantes

“Os métodos tradicionais, que privilegiam a transmissão de informações pelos professores, faziam sentido quando o acesso à informação era difícil” (MORAN apud ALMEIDA & VALENTE, 2012). Com a facilidade de acesso à internet e às tecnologias digitais, o uso de metodologias diferenciadas surge como um grande aliado da aprendizagem. A tecnologia atualmente possibilita a integração contínua entre diversos espaços e tempos na educação, estabelecendo uma relação simbiótica profunda entre o mundo físico e o mundo digital, onde o ensino e a aprendizagem se entrelaçam de forma constante.

Neste post, vamos apresentar alguns exemplos de metodologias ativas e como elas podem ser usadas na prática em sala de aula. É importante lembrar que existem diversos tipos de metodologias ativas, aqui são somente alguns exemplos. Saber as necessidades de cada turma e as particularidades dos alunos também é importante para escolher as metodologias mais adequadas, já escrevemos sobre isso no blog e você pode aprofundar aqui.

– Aprendizagem baseada em problemas: 

Nesta metodologia, os alunos são desafiados a resolver problemas reais ou simulados, relacionados ao conteúdo da disciplina. O professor atua como um facilitador, orientando o processo de investigação e solução dos problemas. Os alunos devem pesquisar, analisar, discutir e apresentar suas propostas, desenvolvendo habilidades como raciocínio lógico, trabalho em equipe e comunicação.

Na prática:

Para aplicar esta metodologia, o professor deve selecionar ou elaborar problemas que sejam desafiadores, relevantes e contextualizados para os alunos. Os problemas devem ser apresentados aos alunos, que devem formar grupos para discutir e buscar soluções. O professor deve acompanhar o trabalho dos grupos, fazendo perguntas, sugerindo fontes de pesquisa e orientando o processo de aprendizagem. Os grupos devem apresentar suas soluções para a turma, que deve avaliar e debater as propostas.

– Aprendizagem baseada em projetos: 

Nesta metodologia, os alunos desenvolvem projetos que envolvem a aplicação prática do conteúdo da disciplina. Os projetos podem ser individuais ou coletivos, e devem ter um produto final que seja relevante para o contexto dos alunos. O professor atua como um mentor, acompanhando o planejamento, a execução e a avaliação dos projetos. Os alunos devem planejar, executar, documentar e apresentar seus projetos, desenvolvendo habilidades como autonomia, criatividade e responsabilidade.

Na prática:

Para aplicar esta metodologia, o professor deve definir ou negociar com os alunos os temas dos projetos, que devem estar relacionados ao conteúdo da disciplina e aos interesses dos alunos. Os projetos devem ter um objetivo claro, um cronograma estabelecido e um resultado (produto) final que seja significativo para os alunos e/ou para a sociedade. O professor deve orientar os alunos na elaboração, execução e avaliação dos projetos, fornecendo recursos, feedback e suporte. Os alunos devem apresentar seus projetos para a turma ou um público externo, o qual deverá avaliar e comentar os resultados.

Em nosso blog, já publicamos um relato sobre a aplicação dessa metodologia e de outras abordagens ativas. Nele, você pode conferir como essa aprendizagem foi utilizada na prática e quais resultados foram obtidos.

– Aprendizagem baseada em jogos: 

Nesta metodologia, os alunos aprendem por meio de jogos educativos, que podem ser veiculadas por meios digitais ou analógicos. Os jogos devem ser adequados ao nível e aos objetivos de aprendizagem dos alunos, e devem proporcionar feedback imediato e motivador. O professor atua como um mediador, selecionando os jogos mais adequados, monitorando o desempenho dos alunos e incentivando a reflexão sobre o que foi aprendido. Os alunos devem participar ativamente, jogar, interagir, solucionar desafios e aprender de forma lúdica e prazerosa.

Na prática:

Para aplicar esta metodologia, o professor deve escolher ou criar jogos que sejam adequados ao nível e aos objetivos de aprendizagem dos alunos. Os jogos devem ser divertidos, interativos e desafiadores, e devem proporcionar feedback imediato e motivador aos alunos. O professor deve organizar a sala de aula de modo a facilitar a utilização dos jogos, deve observar o desempenho dos alunos, identificando dificuldades, avanços e oportunidades de aprendizagem, além de promover a reflexão sobre o que foi aprendido nos jogos, relacionando com o conteúdo da disciplina e com a realidade dos alunos.

– Sala de aula invertida: 

Nesta metodologia, os alunos realizam o estudo do conteúdo da disciplina previamente à aula presencial, por meio de materiais como vídeos, textos ou podcasts. Na aula presencial, o professor utiliza o tempo para realizar atividades práticas, como debates, exercícios ou simulações. O professor atua como um orientador, esclarecendo dúvidas, aprofundando conceitos e estimulando a participação dos alunos. 

Na prática:

Para aplicar esta metodologia, o professor deve disponibilizar aos alunos materiais como vídeos, textos ou podcasts que contenham o conteúdo da disciplina. Os materiais devem ser acessíveis, claros e interessantes para os alunos. O professor deve orientar os alunos a estudarem o conteúdo antes da aula presencial, verificando se eles compreenderam os conceitos básicos. Na aula presencial, o professor deve utilizar o tempo para realizar atividades práticas que envolvam a aplicação do conteúdo estudado. As atividades devem ser variadas, dinâmicas e colaborativas, estimulando a participação ativa dos alunos. Por fim, o professor realiza a avaliação da aprendizagem dos alunos.

Confira um relato sobre a aplicação dessa e de outras metodologias ativas em nosso blog.

As metodologias ativas têm sido cada vez mais utilizadas nas escolas e nas universidades, pois trazem benefícios tanto para os estudantes quanto para os professores. Os diferentes tipos de metodologias favorecem o desenvolvimento integral dos estudantes, tornando-os autônomos, responsáveis, criativos e críticos. Além disso, permitem aos professores diversificarem suas práticas pedagógicas tornando-as mais dinâmicasinterativas e significativas.

É provável que uma ou outra metodologia não dê certo em alguma turma, mas é importante não desistir e propor novas tentativas. Segue algumas dicas nesse artigo.

As metodologias ativas têm como objetivo desenvolver competências e habilidades essenciais para o século XXI. Isso inclui a autonomia, a criatividade, a colaboração, a comunicação, o pensamento crítico e a resolução de problemas. São abordagens pedagógicas que preparam os estudantes para enfrentar os desafios do mundo contemporâneo.

Quais dessas metodologias ativas já aplicou em sala? Quais foram os resultados? Mande seu comentário e conta para a gente!

Referências:

LOVATO, F. L.; MICHELOTTI, A.; DA SILVA LORETO, E. L. Metodologias Ativas de Aprendizagem: Uma Breve Revisão. Acta Scientiae, v. 20, n. 2, 15 maio 2018.

‌ALBERTO DE SOUZA, C.; ELISA, O.; MORALES, T. [s.l: s.n.]. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4941832/mod_resource/content/1/Artigo-Moran.pdf>.

compartilhar

Relacionados

Dia dos povos indígenas

Dia dos povos indígenas: Como fomentar reflexões e atividades evitando estereótipos no dia dos povos indígenas? – Por Marina Queiroz (…)

Revisitando o Ensino Híbrido

Perspectivas e reflexões sobre o ensino híbrido no cenário pós-pandêmico – Por Júnia Bicalho (…)

Gestores na educação

Gestores na educação: como alcançar bons resultados com uma gestão humana e democrática? – por Marina Queiroz (…)

Encontrou o que precisava?